PROMESSA DE LIBERDADE - EVELYN E. POSTALI

08:00

PROMESSA DE LIBERDADE

Evelyn E. Postali

BIOGRAFIA
Gaúcha, professora estadual, graduada em Artes Plásticas, pós-graduada em Artes com especialização em Arte-Educação pela UCS, é apaixonada por fotografia, arte e música.
Participou de antologias pela Andross Editora (O Segredo da Crisálida Vol. III, Livre para Voar, Amores (Im)Possíveis, Ponto Reverso, e pela Editora Buriti (Seres Mitológicos, Luz e Escuridão, Monstros). A antologia Estranha Bahia, sairá em e-book pela EX Grupo Artístico e Editora.

SINOPSE
O Brasil tornou-se o país do futuro. Porém, um futuro diferente do que conhecemos.
Com uma economia estável, o país tem na escravidão dos negros e no massacre das minorias a base de todo o desenvolvimento econômico. Projeta-se no cenário mundial como uma potência capaz de competir com os fortes países capitalistas ou os concorrentes socialistas.
Carlos é filho de um dos homens mais poderosos do país e dono da maior rede de treinamento escravo, Fernando de Almeida Paes Leme. A liberdade que almeja está muito além daquela que possui. Músico de uma banda considerada transgressora, ele luta para manter-se longe das garras poderosas da opressão exercida pela família e Estado.
Nessa realidade alternativa, nesse Brasil contemporâneo, onde a escravidão de negros ainda persiste, onde as mulheres são reprimidas e o amor livre de preconceitos é punido com a prisão ou com a pena capital, Carlos terá que enfrentar momentos difíceis no encontro com E-558, um escravo fugitivo das empresas do pai.
Nesse momento ele questionará o real sentido da liberdade que possui e daquela que almeja.
Prefaciado por Alfer Medeiros.
Diagramado por Samuel Cardeal.

RESENHA
Promessa de Liberdade é um livro despretensioso, mas carregado de vida e atinge o objetivo a que o autor se propôs: provocar a reflexão diante de dois temas importantes como o direito das minorias e a liberdade. É uma história construída em um universo diatópico. Um Brasil que não conseguiu abolir a escravidão e mantém negros e minorias cativos, trabalhando em todo tipo de serviço braçal, até mesmo servindo como cobaias em laboratórios. Impedidos de exercerem um de seus principais direitos fundamentais: a liberdade.
 

Evelyn escreve de maneira cuidadosa. A linguagem é clara e consegue imprimir sua própria voz. Em cada personagem, observa-se a diferença de ritmo, de entonação, o que demonstra a segurança e a consciência da escritora com o texto literário.
Promessa de Liberdade tem um enredo bem entrelaçado. Há uma sequência definida de tempo e espaço. A história se passa no século XXI, em um Brasil sem liberdade, escravocrata, que teve a princesa Isabel assassinada, antes de assinar a Lei Áurea. Partindo disso, Evelyn criou uma nova sociedade, movida por uma grande corporação que comanda o país, independente do governo, porque é a base de sustentação do sucesso do país.
Essa corporação oferece a mão de obra necessária pra que as empresas tenham lucros nas exportações com um preço competitivo, utilizando os escravos para a produção, não necessitando remunerá-los.
O ponto de partida de Promessa de Liberdade está na luta de grupos abolicionistas e em Carlos, filho do dono dessa corporação. Rapaz contrário às eles escravocratas que acaba se envolvendo com Júlio, escravo fugitivo, e, a partir daí, é forçado por suas convicções a assumir, não só suas crenças, mas sua homossexualidade, proibida por lei e punida com a morte.
Há um tensão contínua que em determinado ponto, faz com que o leitor odeie com toda sua alma tudo o que limita ou retira a liberdade. Momentos de agonia, por não podermos interferir no destino dos personagens, por eles não terem como se defender dos perseguidores.
Algumas passagens fazem com que nos lembremos de filmes onde exércitos marcham ovacionados pelo povo, minoria beneficiada por leis cruéis e injustas.
Os personagens são bem construídos. Como disse, anteriormente, sobre a voz da escritora, todos eles se diferenciam. É possível distinguí-los, mesmo quando estão juntos em uma mesma cena.
A temática distópica cria um cenário diferente para o Brasil que conhecemos e que queremos acreditar e nos enganar não ser preconceituoso diante das minorias.
Evelyn expõe com maestria o pensamento da elite opressora e que se mantém no poder com leis que as beneficia.
Para o final, Evelyn nos deixa uma grande interrogação que só poderá ter alguma resposta quando ela decidir escrever o segundo livro.
Aliás, quando vira?

LINKS:

REDES SOCIAIS: 
BLOG DA EVELYN



Publicações que possam lhe interessar

1 comentários

  1. Muito feliz com essa resenha apontando aspectos diversos do livro. Obrigada pelo carinho. Beijos!

    ResponderExcluir