O LEGADO DO FÜRER

11:40




O LEGADO DO FÜRER
Autor: Bruno Atti
Editora: O Quatrilho
Ficção policial

SOBRE O AUTOR



Bruno Atti é caxiense e farmacêutico, tem 32 anos e escreveu seu primeiro livro em quatro meses. O autor se preocupou em fazer intensas pesquisas a respeito da Segunda Guerra, o que deu a ele a base para escrever a trama central da história.
O livro foi financiado pela Lei de Incentivo à Cultura de Caxias do Sul.
Perfil do autor https://www.facebook.com/bruno.a.serafini

SINOPSE
Passeando por Buenos Aires em 2012, Verônica compra um relógio Cartier modelo XVII, de 1927, num antiquário, sem saber que a peça pertenceria à Hitler. Isso é suficiente para envolvê-la em um mistério e fazê-la precisar de ajuda da Polícia Federal e do FBI.

RESENHA
O primeiro contato com O Legado do Fürer se dá através de uma volta ao passado na cidade de Paris de 1940. Sem esse flashback o leitor não conseguiria entender a importância dos fatos para a junção das peças dessa história.
É nesse início que somos apresentados ao objeto que dará vida à ficção policial que o autor Bruno Atti criou: um relógio Cartier de 1920.
Ainda dentro desse prólogo, há um salto no tempo e no espaço que nos trás ao ano de 2012, na cidade de Buenos Aires, na companhia de Verônica e suas lembranças. E é em função delas que o Cartier de 1920 vai parar em São Paulo.
A linguagem utilizada pelo autor Bruno Atti é simples, sem ser simplória, e consegue manter a atenção do leitor para o próximo parágrafo. Por isso, não torça o nariz para o prólogo.
O Legado do Fürer não se prende a São Paulo. O legado de Hitler e suas teorias de purificação racial se espalharam pelo mundo e o autor Bruno Atti nos mostra isso ao fazer essas passagens entre países e até mesmo dentro do território brasileiro.
A narrativa segue com cenas específicas e os vínculos entre os personagens se formam gradualmente. Na metade do livro a trama ganha novos contornos e “esquenta” com a movimentação do grupo neonazista, do FBI, da Polícia Federal brasileira e o encontro entre o agente brasileiro Édson Fernandez e Verônica Castello.
Os capítulos são curtos e rápidos, tornando a leitura ágil. Talvez isso tenha deixado as cenas de confrontos entre os personagens um pouco rasos, porque quando entramos no clima da luta, ela acaba.
O autor conduz bem a trama, desde o início e não ficam pontas soltas e nos surpreende com o fechamento da história.

Pontos que me incomodaram:

Há algumas trocas de pontos de vista de personagens dentro dos capítulos exigindo do leitor uma atenção maior para identificar qual o personagem que está interagindo no momento de troca de diálogos ou pensamentos. Esse tipo de substituição interrompe o ritmo do texto, porque o leitor precisa reorganizar o que acabou de ler, às vezes ler duas vezes. Isso pode, também, ocasionar uma quebra da empatia/antipatia que começa a desenvolver por determinados personagens.
O grande número de personagens também chama a atenção. Até o final do capítulo 10 temos oito personagens, fora os que servem como coadjuvantes e outros apenas secundários. O leitor mais atento vai se perguntar em que ponto todos esses nomes se unem e qual a importância deles no enredo. Também vai exigir atenção maior para que não se percam detalhes importantes pelo caminho da leitura.
Gostaria que tivesse havido um pouco de romance entre Édson e Verônica, o que poderia ter dado à história mais emoção do que já tem.

Parabéns ao autor Bruno Atti.
Uma leitura recomendada para quem gosta do gênero.
Você encontra o livro nos seguintes links:
http://www.saraiva.com.br/o-legado-do-fuhrer-9063096.html
http://www.livrariacultura.com.br/p/o-legado-do-fuhrer-15076655

Publicações que possam lhe interessar

0 comentários