SOBRE MATURIDADE

11:07



Com certa frequência, recebo pedidos de escritores iniciantes para fazer leitura crítica de textos que eles escrevem. Eu, uma escritora iniciante e sem histórias publicadas, acabo ficando até constrangida com os pedidos, mas sei o quanto é importante as pessoas buscarem por opiniões para se sentirem seguras no caminho que escolheram.
Não sou profissional da área e, por isso, meus comentários são apenas minhas observações e não verdades absolutas. Não precisam ser levadas em consideração e devem ser comparada a outras, de outros leitores.
Tenho observado várias posturas desses escritores, desde então. Há aqueles que entendem os apontamentos e os que se recusam a entender, procurando por desculpas inconsistentes para a manutenção de determinados elementos. Também há os que aceitam e agradecem e os que se sentem ofendidos e se recusam a ver o quanto a construção do parágrafo está mal estruturada, ou que os verbos não possuem concordância adequada, enfim…
Isso tudo me fez pensar sobre maturidade.
A maneira como esses escritores reagem, mostra a falta do desejo de melhorar, de se tornar um escritor com “E" maiúsculo. São eles que se queixam nas redes sociais da falta de estrelas no site da Amazon, ou de uma resenha negativa quanto ao trabalho que eles executaram. São eles, também, que mobilizam uma pequena legião de fãs a boicotarem blogs, agredirem blogueiros e outras coisas absurdas que rolam pelo mundo virtual.
Por isso, quando faço uma resenha, acabo ficando cheia de dedos para apontar falhas ou coisas que me desagradaram. Essa falta de maturidade e de profissionalismo do novo escritor assusta.
Há as exceções, e que bom que elas existem.
É preciso qua uma nova visão se estabeleça no mundo das letras. Que se deseje, realmente, sair desse “mimimi" eterno de gente que acha que o resenhista, ou o blogueiro, “pegou no pé” do escritor, só porque a resenha não foi linda e maravilhosa como os seguidores fanáticos desse escritor se comportam. É preciso olhar o mundo das letras com maturidade e o que escrevemos, principalmente, com um olhar mais frio, mais crítico, caso contrário, nossa Literatura vai continuar no canto escuro das prateleiras das livrarias e gerando olhares duvidosos no público leitor.

Ceres Marcon
16/08/2015

Publicações que possam lhe interessar

6 comentários

  1. O leque temático abordado neste texto da Ceres Marcon é bem seletivo, estruturado e abrangente. Dentre os pormenorizados tópicos, o que mais me aprouve foi o objeto que explanou acerca da aceitação da crítica divergente. Quem expõe seu trabalho ao público está sujeito à recepção de toda a gama de impressões. Caso contrário, não pode ser levado a sério, pois é apenas um "café com leite", como bem expôs a escritora, fazendo uso da expressão "canto escuro das prateleiras".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marcelo!
      Muito feliz e grata pelo teu comentário.
      Abraço.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Grata, Marcelo!
      Que bom que gostou.
      Abraço.

      Excluir
  3. Maravilhoso artigo!
    Parabéns Ceres pela competência na abordagem do tema complexo e importante.
    Boa tarde!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Suely!
      Fico feliz que tenha gostado. Obrigada pela leitura e pelo comentário.
      Tenha uma ótima semana.
      Beijos

      Excluir